Skip to main content
Fluxo de trabalho para edição

Fluxo de trabalho em edição: edite com mais EFICIÊNCIA!


Trabalhar com edição de vídeos parece ser bem fácil. E, na real, quando você se acostuma com o dia a dia fica mais leve mesmo. Mas, principalmente para quem está começando, não é tão simples assim. Seja pela falta de experiência na área ou mesmo por desorganização, muitas pessoas acabam gastando mais tempo do que deveriam no processo.


Então, se você quer aprender a ter um fluxo de trabalho em edição mais otimizado e conseguir ganhar mais tempo nos seus jobs, continue lendo esse post até o final! Não se esqueça também de deixar a sua opinião nos comentários, que é muito importante para a gente.


Fluxo de trabalho em edição: passo a passo!


Bom, acho que nem precisamos aprofundar muito sobre o que é fluxo de trabalho em edição, né? Mas, de forma bem resumida, o workflow de edição, como também pode ser chamado, são as etapas que você pode usar em todo o seu processo de edição, desde a organização dos arquivos da câmera até a finalização do vídeo.


Vale lembrar que o que você achar aqui não deve ser visto como uma verdade absoluta. Mas é o que a gente usa no dia a dia e que costuma funcionar bem. Então, se quiser experimentar esse processo, fique à vontade para aproveitar também!


1. Organize o material

Fluxo de trabalho para edição: organização do material


Acabamos as gravações, desmontamos os equipamentos, hora de relaxar, né? Que nada. É agora que o trabalho começa! Prepare sua câmera ou o cartão de memória e bora para a frente do computador.


Hora de passar os arquivos para o PC (ou Mac). Nessa hora, já vamos aproveitar para manter a organização deles. Isso vai ajudar bastante a poupar tempo na hora da edição. Se você edita com outras pessoas, vai facilitar para que elas encontrem os arquivos também.


Crie uma pasta para o seu vídeo e coloque o nome dele, ou algum outro que faça referência ao projeto. Dentro dessa pasta, você pode criar outras, como por exemplo:

  • Projeto: onde você vai guardar projetos dos seus programas de edição.
  • Vídeos: guarde seus vídeos aqui. Pode até criar subpastas com o nome de cada câmera, por exemplo.
  • Imagens: se usar alguma foto ou outra imagem, coloque aqui.
  • Exportação: pasta destinada para os vídeos finalizados
  • Áudios: nessa pasta, coloque trilhas sonoras, locuções ou áudios tratados.
  • Documentos: inclua roteiros e outros documentos relacionados com o vídeo.


2. Faça o backup dos arquivos

Backup de arquivos


O próximo passo do nosso fluxo de trabalho em edição é o backup dos arquivos. Se você já passou pelo transtorno de perder os arquivos de um trabalho e sentir todo o desespero que isso traz, sabe da importância disso.


Então, com todos os arquivos organizados, pegue um HD externo ou um cartão de memória vazio. Se tiver contratado algum serviço de nuvem, pode ser uma opção também.


Copie todas as pastas, com todos os arquivos, e cole nos seus HDs, cartões de memória, nuvem e onde mais você puder. Lembre-se sempre da frase: quem tem 1, não tem nenhum. Quem tem 2, tem 1 e assim por diante.


3. Assista os vídeos gravados

Assista os vídeos gravados


Depois que está tudo certinho e organizado no seu computador, o próximo passo do nosso fluxo de edição em vídeos é assisti-los. Assim você vai conhecer todo o material que foi captado, o que facilita na hora de montar uma sequência coerente também.


Aproveite para manter tudo aquilo que for útil, tiver qualidade e exclua ou separe os arquivos ruins, que tiverem com uma iluminação mais estourada, takes desfocados, ou escuros demais. Assistir os vídeos vai nos ajudar também na próxima fase do processo.


4. Identifique e marque os melhores vídeos

Fluxo de trabalho para edição: marque os melhores vídeos


Agora sim, hora de marcar os principais vídeos. Abra um bloco de notas e coloque ali o nome do take e até qual é o seu conteúdo. Na hora de editar, deixe esse arquivo aberto para você consultar com facilidade. Lembra quando a gente estava organizando os vídeos e o projeto como um todo? Pode salvar esse arquivo na pasta de Documentos.


5. Monte seu vídeo

Montagem do vídeo


Na próxima etapa do nosso fluxo de trabalho em edição vamos realmente por a mão na massa. Abra seu editor e importe os arquivos. Geralmente dá para importar a pasta direto. Se for seu caso, faça isso. Abra também a lista dos vídeos que você marcou, dos que são mais importantes.


Se tiver um roteiro, é hora de seguir também o que está lá para a montagem do vídeo. Se for um vídeo não programado, como um evento, por exemplo, se preocupe em montar uma sequência completa, com início, meio e fim. Aqui vamos fazer a primeira etapa, do vídeo bruto mesmo.


6. Inclua os efeitos e finalize

Fluxo de trabalho para edição: efeitos visuais


Chegamos agora a mais uma etapa de pós-produção, que é a aplicação de efeitos, correção de cores, ajuste de imagem. Seus efeitos podem ser criados com uma ferramenta mais completa, como o After Effects. Se não tiver habilidade para mexer no programa, uma alternativa é procurar efeitos prontos com Chroma Key no YouTube também.


Em editores como o Premiere, você tem acesso a ferramentas completas de correção de cor, como o Lumetri, em que você pode ajustar brilho, exposição, contraste, temperatura de cor, sombras, luzes e várias outras possibilidades. Então, vale a pena dar uma olhada no programa para aprender mais.


Ah, dica importante também: não esqueça de revisar seu vídeo antes de exportar a versão final. Se, por engano você exportar errado, vai perder mais alguns minutos com a renderização.


Bom, esse é o fluxo de trabalho em edição que a gente costuma usar e que normalmente dá certo. Se quiser aproveitar para seus jobs ou adaptar a sua maneira também, fique à vontade. E você, tem outras etapas do seu workflow que a gente não comentou aqui? Deixa aí nos comentários que a gente quer saber também. Até a próxima!


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *